-VOTUPORANGA-SP / DEZEMBRO DE 2017 - RESPONSÁVEL: Sérgio Gibim Ortega - CONTATO: poetagibim@hotmail.com

quarta-feira, 18 de agosto de 2010

VAMOS SENTIR SAUDADES DO NOSSO GLOBY TROTER

(clique na foto para ver maior)

Sérgio Gibim Ortega

Globy Troter era um dos nomes que eu dava a nosso cachorro, entre tantos nomes como, Totó, Roty Bug, Fildene, Frywik, Baduíno, etc. E finalmente o seu nome batizado pela minha esposa de Fofinho.
Fofinho estava conosco há uns três anos praticamente. Ele veio de pequeno para esta nova casa que moramos agora.
Tudo foi muito der repente, o sumiço da gatinha, a nossa bichana, que estava grávida. E agora no sábado por volta das sete horas, um pouco mais a noite, ao luminar com a luz do meu celular, na sua cazinha de madeira, notei que Fofinho estava normal, mas com os olhos fechados e um pedaço da salsinha, que parecia que ele ainda iria comer.
Notamos que ele antes de morrer parecia estar quieto, ou com depressão talvez.
Eu até me sinto culpado. Porque morreu e eu estava brigado com ele. Havia saído pra rua umas duas vezes e não me obedeceu a ordem de voltar para casa. Ficou uma noite fora de casa. Quando voltou, o deixamos de castigo sem comer. Num outro dia também aconteceu à mesma coisa e não o perdoei. Minha esposa tratava dele. Mas parecia que comigo ele estava bem quieto. Ele sabia que eu estava revoltado. Eu até falei que ia colocá-lo preso a uma corrente. Mas a esposa não deixou. Aí passei a odiar mais.
Até penso que ele morreu porque faltou o meu carinho. Nem a esposa me perdoa por isso.
Para mim é como educar um filho. Tem que agir certo. Ele estava errado. Na rua não é lugar de cachorro. Tem que obedecer ao dono. Se não, eu sou mesmo enérgico e é assim o meu jeito.
Mas quando vi na sua casinha, o cobrimos e lá ficou como se estivesse dormindo até domingo pela manhã. Decidimos enterrar no quintal mesmo. Todos os nossos animais sempre foram assim na outra casa em que morávamos.
Abri o buraco e peguei-o. Estava como deitado normal como se estivesse dormindo, frio e gelado. Coloquei no buraco e aí meus olhos se encheram de água. Não havia mais como dar o carinho pra ele que faltou. Foi difícil e com sacrifício comecei a jogar terra sobre ele.
Ele sempre foi delicado de pequeno e dormia em uma cadeirinha como uma criança. Não vamos esquecer-nos do nosso Baduíno.
+2007 a 2010+

Nenhum comentário:

ESSE TEMPO

                  Sergio Gibim Ortega Eu vejo cada história passar pelo tempo... Tempo de infância, um tempo que passou. Lembranças ja...