-VOTUPORANGA-SP / AGOSTO DE 2017 - RESPONSÁVEL: Sérgio Gibim Ortega - CONTATO: poetagibim@hotmail.com

segunda-feira, 26 de março de 2012

OS CANDEEIROS DA MENTE

                          Carlos Lúcio Gontijo
A poesia não é uma opção para o poeta verdadeiro, pois ele a traz em si. Ou seja, ainda que não escreva verso algum, a poesia nele estará. Os bons professores também são assim; professores por vocação. Talvez pareça estranho ao nosso casual leitor o fato de estarmos tratando de tema não referente à política, que se nos apresenta como fonte de destilação de ódio e posicionamentos tão extremistas quanto radicais. Muita gente anda se aproveitando do espaço democrático possibilitado pela liberdade de expressão para propagar ideias golpistas e até mesmo, vestida de verde-oliva, bater à porta dos quartéis.

Sob a certeza de que quando morre um grande humorista até a lona dos circos verte lágrimas, estamos mais para reviver o saudoso Chico Anísio, na canção “Como nos velhos tempos”, que ele compôs em parceria com Nonato Buzar: “Eu quero ver o show do Walter Pinto/Com mulheres mil/O Rio aceso em lampiões/E violões que quem não viu/Não pode entender/O que é paz e amor”. Cansamo-nos das moscas do lamaçal político, pois sabemos de onde elas vêm e do fétido lodo de que se alimentam. Preferimos então louvar os professores, que são vítimas das ações políticas, que a eles reverenciam apenas no transcorrer das campanhas eleitorais.

Temos a glória de manter, até os dias de hoje, uma relação de apreço e amizade com a nossa primeira professora, Clélia Souto, que está na luta pela impressão de seu livro em prosa e verso. Clélia foi prefaciadora de nossa obra “Pelas partes femininas” e agora nos concedeu a prazenteira honra de prefaciar seu lírico “Casa grande”.

Entrar em contato com os professores, os candeeiros da mente de nossas crianças, adolescentes e jovens, é o mesmo que contatar, ao vivo e em cores, o descaso de nossos governantes em relação ao ensino, que não pode receber a devida atenção porque o Estado precisa ostentar caixa suficiente para pagar e garantir o privilégio dos que nada fazem e nada produzem em prol da sociedade.

O escritor norte-americano Malcolm Gladwell grafou que “O sucesso é uma soma de inteligência, esforço, contexto histórico e oportunidade”. Indubitavelmente, cidadão que não for premiado com a sorte de acesso a ensino de qualidade assistirá, pela vida afora, à diminuição de sua possibilidade de atingir ao grau de bem-sucedido, em ambiente socioeconômico tão seletivo e competitivo no que diz respeito ao mercado de trabalho.
Nossa querida professora aposentada Clélia não obteve do governo mineiro a merecida contrapartida salarial por seu empenho na busca de aprimoramento profissional, predicado que a levou a cursar faculdade de pedagogia. A única recompensa de Clélia Souto, assim com a de praticamente todos os professores, é o reconhecimento de seus ex-alunos.
Infelizmente, pelo andar da carruagem, os professores deste aclamado tempo novo, no qual os pais terceirizaram a educação de seus filhos, repassando tal incumbência e obrigação às escolas, vistas como simples depósitos de crianças, não poderão contar nem com a gratidão de seus alunos, que por eles não nutrem a menor consideração.

Entretanto, apesar dos pesares e das dificuldades, o livro da professora Clélia Souto está a caminho. Cuidamos, recentemente, de procurar o apoio de Nivaldo Marques Martins, diagramador e ilustrador de cinco de nossos 14 livros, que não se fez de rogado e nos emprestará seu talento, facilitando por demais a edição, que conta com o caloroso incentivo de muitas outras pessoas amigas.

Ao passo que nossos governantes optam por deixar os professores ao deus-dará, fica cada vez mais evidente para os estudiosos da educação que o conceito de inteligência não é apenas uma questão de QI dos estudantes, mas sobretudo um conjunto de habilidades que necessita ser trabalhado por escolas de expressiva qualidade, um fenômeno totalmente dependente de bons (e bem remunerados) professores, além de didática consistente, uma sociedade participativa e famílias bem estruturadas, que se unam em torno das unidades escolares em benefício da preparação dos alunos, como futuros agentes da construção de um mundo melhor.

   Carlos Lúcio Gontijo
Poeta, escritor e jornalista

Nenhum comentário:

O HUMORISMO DA TV FICA MAIS TRISTE

O ator  Paulo Silvino   morreu  nesta manhã, no  Rio de Janeiro . Seu filho João Paulo Silvino lamentou o acontecido em uma postagem no Fa...