-VOTUPORANGA-SP / AGOSTO DE 2017 - RESPONSÁVEL: Sérgio Gibim Ortega - CONTATO: poetagibim@hotmail.com

sexta-feira, 28 de outubro de 2011

JOVEM DE 17 ANOS MORRE ATROPELADO COM A BICICLETA NA RODOVIA


Um jovem de 17 anos morreu atropelado na tarde do último domingo, ao tentar fazer a travessia da rodovia Euclides da Cunha (SP-320), em Votuporanga. Renan Batista Melegatti cruzava a pista com uma bicicleta quando foi atingido por um automóvel. Ele chegou a ser socorrido com vida, mas não resistiu à gravidade dos ferimentos.
A fatalidade ocorreu por volta das 14 horas, no quilômetro 520 mais 400 metros da estrada. De acordo com um boletim de ocorrência, elaborado no Plantão Policial, foi apurado que o médico Alexandre Rizzaro Calegari, de 34 anos, residente em Apucarana, no Paraná, conduzia seu o automóvel Ford Focus, de cor preta, ano 2008, com placas AQY-3262 de Apucarana, pela rodovia Euclides da Cunha, no sentido Simonsen/Votuporanga, quando foi surpreendido pelo ciclista, que saiu da margem esquerda e cruzou a pista repentinamente, tornando inevitável o atropelamento...LEIA TODA NOTÍCIA NO JOCIANO GAROFOLO

COMENTÁRIOS POETA GIBIM:
A minha amiga Cristina disse no Orkut: "sergio eu sei que vc é poeta e porisso que ti peço de todo o meu coraçao eu sei que vc nao sabe mais eu perdi um subrinho amado e querido por todos ele faleceu domingo as 14/00 horas do dia 23/10/2011 em um acidente de transito na rodovia euclides da cunha eu queria que vc fizese uma homenagem pra ele se for possivel meu muito obrigada que deus ti ilumina o nome dele é renan batista mellegate estamos sofrendo muito"

"Cristina, a minha homenagem que posso fazer, esta não é em poesia, mas o que sinto dentro do coração ao ver hoje sua foto no blog Josiano Garofolo". É saber agora que mais um jovem se foi, adolescente ainda. E que deixou tudo pela frente, ou até esta humanidade que já não se entendem mais.
Eu não tenho palavras de como confortar, principalmente a família, mas olhando para meu filho, quando ainda é mimado tanto por nós, e já com 11 anos. Eu me sinto errado até por isso. Por que o segurei tanto e ainda, o levo à escola? E talvez sempre leve.
E mesmo assim não estou mais conseguindo dominá-lo, mesmo sendo um poeta, onde queria contar já a ele todo e qualquer sofrimento que passei ensinando a se livrar dos perigos menores, sem saber o que virá pela frente. Mas, estou vendo que não estou conseguindo, e por certo que um dia talvez, quando eu não esteja mais neste mundo, talvez ele vá ler tudo o que escrevi...
Eu imagino a dor de uma família, quando não se conforma... Eu imagino às vezes com ele nos meus braços, e sabendo que não posso livrar dos perigos deste mundo... Eu imagino se ele um dia estivesse até que ir para o Japão, um lugar mais seguro, quase em tudo, menos o terremoto...
Cristina... Não dá para imaginar tudo, e paro... E respiro... Eu não posso fazer tanto e só escrevo, pensando em transmitir a ele, o que eu queria transmitir para os jovens e principalmente aos adolescentes de hoje. “Tomem cuidado!” Eu quando vou a escola pegá-lo, vejo todos os dias crianças andando no meio da rua, e carros que vem na alta velocidade, quando ninguém mais respeita alguém. Eu já não tenho mais forças para dizer: "Eles estão me atrapalhando". Porque isso eu já dizia antes. E quando vejo minha mulher dizendo, buzina e vejo a impaciência de todos. E de motoristas que buzinam pra valer mesmo. E que ninguém tá nem aí pra vida de seu filho. Agora já estou mais até com paciência, até mesmo pelo afastamento do trabalho e do stress... E meditando... Escrevendo, e pensando no meu filho... Pensando quem vai protegê-lo, quando eu não estiver mais aqui para protegê-lo...
E quantos pais deixam seus filhos aprenderem seus caminhos, e ainda vão me criticar por dizer que eu estou prendendo o meu filho... E que por isso ele está tão acomodado, que espera tudo vir no vento. Eu falo mil vezes... Eu converso... Mas, meu filho não me houve e entra por um ouvido, e sai pelo outro.
Mas ainda estou conseguindo protegê-lo... Mas, não sei até quando... E quando olho pra trás... Quando vejo que rejeitei meu primeiro filho e que perdi, então vejo alguma razão por proteger tanto... Se eu ficar falando, e depois mais uma menina recém nascida, e se continuar, vai sair um livro...
Então, nem dá pra falar tudo sobre a morte também, porque acredito diferente de todas as pessoas. E um dia ainda pretendo fazer um livro pelos meus pensamentos. O que imagino da morte?...
Imagino que nós vamos estar sempre aqui!... Espirita?... Não!... Não sou espirita. Sou apenas católico. Mas o meu medo da morte acabou ao imaginar, e sei, é difícil encontrar a resposta certa. Talvez acredite um pouquinho da ciência, que somos partes de todos os Seres Vivos da Terra, que é só mais a nossa memória que se apaga quando nosso corpo tem fim. E como uma luz, que vamos aprendendo a ser outra pessoa novamente... Como a energia elétrica... Somos uma só energia... E só uma memória, um gravador que se apaga... etc., etc...
E onde fica Deus e a bíblia... Não estou falando que Deus não exista. Entender a bíblia, a grande e toda energia que somos ligados, é quase impossível... Pois, Jesus esteve na terra e acredito que foi alguém que só ensinou é muito amor... E que ninguém mais respeita... Mas entender um livro a mais de 2 mil anos... E muito mais que não sei a quantia, a contagem... Bom, estou confiante que não vou dormir eternamente... E que o espirito, talvez seja uma palavra pra dizer só ao mundo... E que tantas palavras foram criadas e também mudadas ao longo do tempo...
Eu não tenho palavras pra confortar alguém... Eu só tenho medo é do mundo que muda todo dia, e para pior... E de morrer, se for só pra deixar o filho, ninguém quer...
Eu só digo que temos que continuar...
Renan não está entre nós, mas não está sofrendo mais também, tenha certeza... E a saudade da família não tem como... Só tem como imaginar a tantos e tantos piores que sofreram muito mais... Principalmente os familiares daquele atirador da escola... Renan teve uma fatalidade, um descuido... E que não queríamos, pode ter certeza que não está aqui, mas está bem...
Mas eu não queria estar nunca na pele de um pai ou mãe... Nunca... Que Deus, ou agora como estou dizendo, conforte os familiares, e que pensem sempre assim... Ele nunca vai querer ver ninguém sofrendo... Com certeza, e o que ele mais queria se estivesse por aqui ainda. Ou se adivinhasse o que iria acontecer. Um dos mais famosos dos “Mamonas Assassinas” sonhou com o avião caindo, e mesmo assim morreu. E a bíblia apesar de ser o livro mais velho, diz; “Não chore pelos mortos e sim pelos vivos”.
É o que por enquanto eu penso e digo Cristina!... Fique na paz!

Nenhum comentário:

AGENDA CULTURAL DE VOTUPORANGA

15/08/2017 Secretaria da Cultura e Turismo AGENDA CULTURAL Aqui você fica por dentro de filmes, eventos, ofi...