-VOTUPORANGA-SP / DEZEMBRO DE 2017 - RESPONSÁVEL: Sérgio Gibim Ortega - CONTATO: poetagibim@hotmail.com

quarta-feira, 30 de junho de 2010

BINGÃO HIPER CAP A PRIMEIRA VEZ QUE COMPREI, SÓ DOR DE CABEÇA


Sérgio Gibim Ortega

Para muitos a sorte de ter ganhado... Para outros a Ilusão de ter perdido.
Quantas vezes me ofereceram e eu nunca comprei esse tal Bingo Hiper Cap de Rio Preto. Mas sempre tem um dia que a gente fica bobo e cai na conversa.
Depois de muito tempo, um dia sentado defronte minha empresa esperando a loja abrir passou um cambista. Meu colega comprou e eu me interessei. O Colega até emprestou no momento os dez reais que paguei. Então resolvi comprar um, ainda de presente para minha esposa.
Estava eu esperando correr. Mas no dia seguinte a surpresa. Estava nos jornais que o Bingo Hiper Cap de Rio Preto havia sido proibido pela justiça. O Ministério Público Federal ajuizou uma ação civil pública tendo em vista a ilegalidade na comercialização dos produtos.
Comercializado o produto chamado “Hiper Cap Rio Preto Vida Premiável”, por meio do qual realizavam, sem a devida autorização da autoridade competente – no caso a Susesp (Superintendência de Seguros Privados) - a sorteios públicos semanais, sob o pretexto de comercializarem plano de pecúlio coletivo de previdência complementar, associado a sorteios supostamente gratuitos, que servia apenas para mascarar o seu principal objetivo, qual seja, difusão do jogo de azar.
É! Eu comprei. Mas vi que naquele momento que eu comprei, baseado pela notícia do jornal, eles já estavam proibidos e mesmo assim deixaram os cambistas vender a caretela de Bingo.
No dias em que se passaram minha esposa ligou para eles, onde diziam que devolveriam o dinheiro. Bom! Aí já foi mais o gasto do telefonema. Dias depois saiu no jornal que eles mandariam uma pessoa para devolução do dinheiro, assim devolvendo a cartela não premiada para eles.
Sem tempo para encontrar quem era a pessoa fui ficando sem os meus dez reais e sem o sorteio também.
Até que um dia passou o Cambista defronte a loja em que trabalho. Um dos colegas me mostrou e o chamei.
Ele disse que devolvia, mas que naquele momento não estava com o dinheiro no jeito. Como eu estava com pressa para sair para meu trabalho, então me pediu para que eu deixasse o bilhete do bingo com um dos vendedores da loja que ele conhecia, e mais tarde ele deixaria o dinheiro com o vendedor.
Entrei para dentro da loja para chamar o vendedor. Mas nunca me aconteceu e até inexplicavelmente o segurança, até colega de trabalho me reprimiu me chamando atenção por eu passar quatro ou cinco metros para dentro da loja. Porque lá tem determinado horário para nós funcionários para poder entrar.
Fiquei super chateado com o segurança, por ter tido me chamado atenção perto dos colegas de trabalho, sendo que eu também não iria entrar mais adentro e só parei para conversar com o vendedor. Não seria necessário isso. Fiquei mesmo chateado sendo eu um funcionário que sempre respeitou os limites da empresa em que trabalho.
Até pedi desculpas ao segurança do meu trabalho e ele também me pediu desculpas, por saber que sempre fui de obedecer.
O Bingo eu recebi de volta. Mas acabou meu dia e me pus a pensar. Tudo isto por causa do Bingão Hiper Cap. Passei tal humilhação sem querer. Isto é bom para eu aprender a não comprar mais estas porcarias. Naquele momento da chateação perdi até a vontade de receber este bingo de volta. Na verdade é por isto que se dizem jogos do azar.

Nenhum comentário:

ANÕES REJEITADOS PELOS PAÍS EM NOVELAS E FILMES

     A atriz Juliana Caldas , 30 anos, em um dos papéis principais novela das nove "Do outro lado do Paraíso" de Walcyr Ca...