-VOTUPORANGA-SP / OUTUBRO DE 2017 - RESPONSÁVEL: Sérgio Gibim Ortega - CONTATO: poetagibim@hotmail.com

quarta-feira, 7 de outubro de 2009

Voluntários salvam mulher em enxurrada, em SP


07/10/09 - 20h33 - Atualizado em 07/10/09 - 20h36
Durante o alagamento de um avenida em São José do Rio Preto, uma mulher ficou submersa por dois minutos. A iniciativa de voluntários foi essencial para o salvamento.
Um grupo de cidadãos salvou a vida de uma mulher de uma forma heróica, no interior de São Paulo. Foi durante uma enxurrada em São José do Rio Preto. O temporal chegou pouco antes das três da tarde. Alagou rapidamente uma das principais avenidas da cidade. Quem está na moto é Gisele Cristina Nunes, de 29 anos. Ela busca proteção se escorando num carro. Voluntários aparecem para ajudar. Um homem tenta segurar Gisele. Mas os dois são derrubados. Ela desaparece. São quase dois minutos sem saber onde Gisele está. Enquanto isso, outra mulher tenta sair de um carro. Neste momento, alguém vê o que parecia impossível, a mão dela. Gisele consegue acenar. Ela está presa embaixo do carro. Mais pessoas aparecem para ajudar. E também são derrubadas pela água. Gisele desaparece de novo. O cinegrafista mostra um dos voluntários sendo puxado, exausto. Neste momento, Gisele está sendo resgatada para dentro da caçamba de uma picape branca. E depois é levada para a calçada. Todos se salvaram. Meia hora depois da chuva a água baixou e o trânsito voltou ao normal na avenida onde tudo aconteceu. Momento de relembrar a solidariedade de quem se arriscou para salvar uma vida. Um homem viu o momento em que um rapaz que se abrgava da chuva se atirou na enxurrada. “Ele não pensou nele, não pensou na vida dele. Ele pensou na vida daquela mulher que pedia por socorro, gritava e chorava”. A coragem de voluntários foi decisiva. “Na hora que eu vi ela levantando a mão, não pensei duas vezes. Você tenta salvar. O importante é que ela está aqui, bem”. Gisele Cristina Nunes já recebeu alta do hospital.
JORNAL NACIONAL/GLOBO.COM


Nenhum comentário:

SENTIMENTOS

                 Sérgio Gibim Ortega Quando eu bebo eu sou rei. Já existe uma poesia assim. Meus sentimentos se afloram, e  choro s...