-VOTUPORANGA-SP / DEZEMBRO DE 2017 - RESPONSÁVEL: Sérgio Gibim Ortega - CONTATO: poetagibim@hotmail.com

terça-feira, 5 de maio de 2009

O futuro multimídia do mundo dos livros

São Paulo, segunda-feira, 20 de abril de 2009 /FOLHA DE SÃO PAULO THE NEW

Por BRAD STONE


São Paulo, segunda-feira, 20 de abril de 2009
Muitos autores sonham em escrever o grande romance americano.
Bradley Inman quer criar ótima ficção, vídeos on-line dramáticos e fluxos atraentes de Twitter —juntando tudo em um híbrido multimídia.
Inman, um bem-sucedido empreendedor do Vale do Silício, chama esse amálgama digital de Vook (www.vook.tv), e a recém-criada empresa com esse nome poderia representar um futuro possível para o combalido setor editorial.
As editoras, naturalmente, estão sentindo a mesma dor crônica que outros negócios da mídia, com demissões, reestruturações corporativas e uma sensação geral de melancolia.
Ao mesmo tempo, há uma onda de otimismo e atividade em torno da ideia, outrora desprezada, de que as pessoas poderiam ler livros em telas digitais. Só neste ano já surgiram dispositivos de leitura eletrônica da Amazon, da Samsung e da Fujitsu, enquanto celulares como o iPhone, da Apple, se revelam dispositivos aceitáveis de leitura para muitos fanáticos por livros.
E assim como a mídia digital começou a mudar a natureza das notícias, da música e do vídeo, o surgimento dos livros eletrônicos está fazendo vários empreendedores e tecnólogos reconsiderarem o tipo de experiência que os livros um dia poderão trazer.
Inman é um dos que estão reimaginando a página impressa. Como fundador da HomeGain.com, uma imobiliária on-line que ele vendeu em 2005 a uma joint venture de empresas jornalísticas, e da TurnHere, uma produtora que cria vídeos para editoras, ele tem profunda ligação com o mundo editorial de Nova York.
No ano passado, considerando as oportunidades que dispositivos como o Kindle, da Amazon, poderiam eventualmente criar, Inman escreveu o seu próprio livro de suspense, “The Right Way to Do Wrong” (“O jeito certo de fazer errado”), e pediu à TurnHere que gravasse cerca de duas dúzias de vídeos curtos, com atores, que aumentam o mistério principal do livro.
“Achamos que há uma verdadeira urgência do setor editorial em inovar com novas formas de conteúdo”, diz ele.
O Vook tenta resolver um grande problema das editoras com o formato digital. Apesar de todo o hype e do sucesso inicial de dispositivos como o Kindle, os e-books ameaçam privar os livros de grande parte do seu apelo emocional. As imagens na sobrecapa, as fontes convidativas e o prazer de sentir um papel de qualidade em geral somem, substituídos por insípidos pixels sobre uma página virtual.
Para completar o cenário, em dispositivos de leitura multifuncionais, como o iPhone, passatempos que geram uma gratificação mais imediata, como os videogames, estão a apenas um clique dos leitores com mais dificuldade de concentração.
“Os editores serão confrontados com a ideia de que ou as palavras sobre a página têm de ser completamente convincentes por si só, ou terão de encontrar uma forma de criar novos tipos de atrações subliminares no novo meio”, disse Sara Nelson, consultora do setor editorial e ex-editora da revista especializada “Publishers Weekly”.
Ela já viu o protótipo do Vook e o considerou intrigante, mas o desafio é evitar a sensação de que se trata de uma novidade supérflua. “Se você vai colocar vídeo em um livro, ele tem de fluir tão naturalmente na história que os leitores nem percebam que estão trocando de meio”, disse Nelson.
Várias outras experiências semelhantes estão a caminho. O WEBook, criado por uma empresa de Nova York, permite que várias pessoas colaborem na escrita de livros e já prepara ferramentas para que os leitores comentem as obras com os autores em tempo real. A Wattpad, de Toronto, está entre várias novas empresas que solicitam originais de autores inéditos, driblando as grandes editoras e distribuindo as obras pela Web ou para celulares.
Todas essas tentativas certamente vão provocar debates sérios nos círculos literários. “Não acho que estejamos comprometendo a palavra escrita”, diz Inman, do Vook. “As pessoas vão continuar lendo, só que de novas maneiras. Os livros finalmente estão saindo on-line, mas são muito unidimensionais. Acho que podemos experimentar e fazer melhor.”
FONTE-MENSAGENS LUNAS E AMIGOS

Nenhum comentário:

ANÕES REJEITADOS PELOS PAÍS EM NOVELAS E FILMES

     A atriz Juliana Caldas , 30 anos, em um dos papéis principais novela das nove "Do outro lado do Paraíso" de Walcyr Ca...